LIÇÕES DA OLIMPÍADA DE TÓQUIO #3 | Ana Marcela Cunha: a nadadora obstinada

LIÇÕES DA OLIMPÍADA DE TÓQUIO #3 | Ana Marcela Cunha: a nadadora obstinada

Por Annelys Lopes | Content Manager BeTheNext | em 24 de setembro 2021.
3 minutos de leitura.

 

Hey leitorX, que tal mais uma matéria da série LIÇÕES DA OLIMPÍADA? Estamos trazendo aqui para você, semanalmente, histórias, desafios, legados, enfim, as trajetórias das grandes personalidades de Tóquio-2020, que deixaram seus nomes marcados para sempre no esporte e se tornaram referências para Xs próximXs ídolos que estão por vir. A personagem de hoje é Ana Marcela Cunha: a nadadora obstinada. Boa leitura!

A baiana Ana Marcela Cunha, medalha de ouro na maratona aquática na prova dos 10 km, em Tóquio, tem muito a nos ensinar sobre obstinação.

As experiências de ter conseguido o 5º lugar na Olimpíada de Pequim, em 2008, de ter ficado de fora da de Londres, em 2012, e de ter chegado em 10º na do Rio, em 2016, poderiam deixar traumas ou inseguranças em qualquer atleta, mas não em Ana Marcela. Juntamente com seu técnico, Fernando Possenti, a nadadora analisou os erros cometidos e buscou corrigi-los, em busca da perfeição. Em uma entrevista, ela resumiu bem a situação:

“Acredito que saber lidar com as perdas anteriores me fez chegar até aqui. Ter ficado de fora dos Jogos de Londres e não ter ido bem no Rio foi uma motivação. A verdade é que eu estava obstinada. Queria muito ser campeã olímpica, é um marco muito importante na minha vida. Quem treina merece e faz acontecer. Fiz a prova da minha vida e agora estou aqui com esta medalha.”

Aliás, para o “currículo” de Ana Marcela faltava apenas uma medalha olímpica. Em 15 anos de competição, ela colecionava 11 medalhas de ouro, 3 de prata e 6 de bronze. Foi eleita seis vezes a melhor nadadora do mundo em águas abertas. Considerando que ela só tem 29 anos, ainda virão muitas conquistas. Não é à toa que, embora sem medalhas olimpíadas, ela era, de longe, a favorita na maratona aquática de Tóquio.

O segredo dessa nadadora obstinada? FOCO. Durante os treinos intensos, Ana Marcela, apaixonada pelas redes sociais, procurou se desconectar completamente, limitando-se a conversar com o técnico, a psicóloga, os pais (ela é filha de um nadador e de uma ginasta) e a namorada. Devido à pandemia da covid-19, muitas vezes teve que limitar os treinos à academia, onde “nadava a seco”, usando um equipamento que simula os movimentos que ela faz na água para não perder a força. No mar, procurava inventar adversárias “fantasmas” para simular a tensão da prova e o sentimento competitivo: cada treino era, na sua cabeça, a competição, o que fez com que a verdadeira competição não passasse de mais um treino.

Outra vantagem competitiva dessa baiana arretada é o grande controle mental: nunca se deixou derrubar por uma derrota, procurando aprender e tirar pontos positivos da situação, sem ficar alimentando pensamentos ruins. Para ela, a preparação mental é tão importante quanto a preparação física, não se permitindo ter pensamentos negativos antes, durante ou depois de uma competição. A confiança também fez a diferença: “Eu estava muito convicta e muito segura de tudo o que fizemos nos treinos, dos resultados que eu estava conseguindo. Eu não sabia se alguém tinha se preparado melhor do que eu, mas eu sabia que eu estava no meu melhor momento.”

A estratégia durante a prova foi não ficar à frente o tempo todo para não demonstrar que era uma adversária perigosa: foi ultrapassando aos poucos. Manteve o foco de nadar no ritmo certo, procurando se hidratar o melhor possível em cada parada, economizando o máximo possível de energia. Procurou se concentrar e ter o sangue frio para não acelerar na hora errada e acabar com o plano cuidadosamente preparado: “Fiz a minha prova, me desliguei das outras meninas para seguir no meu ritmo. Pela quantidade de braçadas, eu conseguia ser mais econômica, também por causa do calor. Meu objetivo era sempre ficar na segunda ou terceira linha, deixando alguém puxar o ritmo. Mantive a calma e soube ir ultrapassando as adversárias. Foi a prova perfeita.”

Cada vez mais o controle mental tem se destacado como uma das maiores qualidades dos atletas de ouro. Se você quer vencer, precisa investir em autoconhecimento e foco com disciplina. Nós, da BeTheNext, temos uma equipe especializada para lhe dar todo o suporte necessário. Atleta, venha conosco superar os seus limites! Faça o curso Preparação Mental para Atletas do Método neXt | Level I (clique aqui para comprar com desconto).

 

Não seja apenas mais 1, seja X próximX -> BE THE NEXT!

 

___

Perdeu as outras matérias da série LIÇÕES DA OLIMPÍADA? Fica tranquiX 😉clique nos links abaixo:

– LIÇÕES DA OLÍMPIADA DE TÓQUIO #1 | A serenidade da ginasta Rebeca Andrade

– LIÇÕES DA OLIMPÍADA DE TÓQUIO #2 | Rayssa Leal, a representante do espírito olímpico

___

Crédito Imagem Destaque: Jonne Roriz/COB/Agência Brasil. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/esportes/noticia/2021-08/ana-marcela-cunha-e-ouro-na-maratona-aquatica