A “disruptura” na Indústria do Esporte. Se liga nessa matéria TOP

A “disruptura” na Indústria do Esporte. Se liga nessa matéria TOP

Muito se fala sobre as ‘disrupturas’ que estão nos mercados por aí, devido às inovações tecnológicas. E a indústria dos esportes, com certeza não fica de fora. Uma “disrupção” normalmente é um processo muito rápido que transforma todo um setor e que, inevitavelmente, tem a tecnologia como grande motivadora.
Trazemos aqui pra você hoje, as oito tendências tecnológicas mais essenciais que estão transformando a indústria do esporte, ou, as tendências “disruptoras” do mercado.
Boa leitura!

 

 

Análise de dados

Os recursos de análise de dados existem para fornecer uma vantagem competitiva às organizações esportivas, melhorando o desempenho do jogo, treinamento, recrutamento, segmentação de mercado e envolvimento dos fãs.
Estatísticas, big data, insights e algoritmos de previsão são complementos atraentes para plataformas em esportes de fantasia e apostas.
O mercado de análise de dados esportivos vale mais de 1 milhões de dólares e pode chegar a 4.5 milhões em 2025.
Atualmente, os EUA são o maior mercado e a Ásia tem sido o mercado que mais cresce .
As empresas líderes no setor de análise são IBM, SAP, SAS, Tableau e Oracle.
Quais setores esportivos estão usando análise de dados?
– Sites de esportes dedicados que apresentam detalhamento estatístico e indicadores de desempenho para os fãs seguirem;
– Coleta e análise de dados de movimento do jogador;
– Análise das preferências dos fãs para prever taxas de presença e aumentar a satisfação;
– Tecnologia de rastreamento de bola, fornecendo métricas exatas de trajetória e velocidade;
– Análise de dados e padrões históricos e reais do jogo para prever os resultados do jogo.
 

Mídia e demais canais de transmissão

Com quase nenhum esporte ao vivo durante a pandemia do Coronavirus, vimos uma explosão de provedores de vídeo digital, redes sociais, conteúdo gerado pelo usuário e aplicativos móveis.
Esses centros de distribuição de mídia estão criando novos modelos de negócios e fluxos de receita para geradores de conteúdo, como emissoras esportivas.
Como é agora?
– 93% dos programas ao vivo assistidos são eventos esportivos ao vivo.
– Na Copa do Mundo de 2014, a FIFA ganhou US $ 4 bilhões em direitos e marketing na TV.
– A NFL fatura cerca de 5 bilhões de dólares por temporada através de contratos com várias redes de TV.
– Interações únicas do Twitter em torno de eventos esportivos.
Para onde estamos indo?
– Interações entre plataformas;
– Comentários aprimorados: idioma selecionado e tom de voz;
– Melhores destaques em resolução: replays de 360 ??graus, 4K, 3D, AR e VR;
– Conteúdo sob demanda: transmissão on-line a qualquer hora, em qualquer lugar;
– Aplicativos móveis, bots interativos e assistentes virtuais.
 

Acessórios e equipamentos para aprimoramento de desempenho

A implementação de sensores inteligentes avançados em dispositivos e dispositivos vestíveis permite que os usuários capturem e rastreiem suas atividades, fornecendo dados e métricas para avaliar e melhorar o desempenho.
Hoje esses dispositivos vestíveis podem rastrear movimento, distância, localização, velocidade, frequência cardíaca, respiração e até ondas cerebrais. O feedback e as métricas avançadas de dados fornecidas pelas novas tecnologias desbloqueiam perguntas que não fomos capazes de fazer antes.
A próxima geração de dispositivos de vestir incorporará vários dispositivos conectados (IoT), desenvolvimento de software móvel, precisão do sensor e soluções de gerenciamento de energia. Além disso, melhorias independentes na tecnologia reduzirão os custos de produção de vestuário, de modo que os preços cairão assim que isso acontecer.
O que vem por aí?
– “Vestir menos”: as empresas estão tentando incorporar dispositivos em roupas, sapatos e bolas para o conforto dos usuários;
– Adidas, Apple, Fitbit (agora Google), Nike e Under Armour são os investidores e inovadores mais influentes em tecnologias vestíveis.
 

Estádios inteligentes

O que virá primeiro quando tudo isso passar? Estádios inteligentes ou pessoas que frequentam estádios? A implementação de tecnologias em nuvem, móveis e analíticas visa enriquecer e complementar a experiência dos fãs, aumentar o atendimento e reforçar a proposta de valor da equipe.
Já antes da pandemia, torcedores começavam a exigir novas experiências enriquecedoras no estádio; eles querem “ver mais”.
Os locais começaram atualizando suas diferentes camadas de tecnologia dentro das arenas, de wi-fi à infraestrutura tecnológica, para aumentar o envolvimento dos fãs.
No entanto o comportamento e padrão de consumo dos “Millennials”, é pauta de discussão em todos os meios, seja na psicologia, marketing e gestão. Eles sugerem que, dado o aumento dos preços dos ingressos, os adolescentes agora preferem seguir o jogo através de seus celulares e interagir nas diferentes redes sociais.
Esse desafio, combinado agora com o momento atual do COVID-19, obrigará os operadores do local a inovar em soluções para trazer os fãs de volta aos jogos em um ambiente seguro, tecnológico e divertido.
Tendências e aplicações:
– Wi-fi;
– Soluções de integração de dados;
– Hardware em rede;
– Mega exibições ao vivo;
– Aplicativos baseados nas instalações do estádio: rastreador de banheiros ou concessões, reprodução instantânea de diferentes ângulos, museu de esportes com VR;
– Melhorias de software: previsão do tempo, espaços exclusivos para solicitação de uber, experiências personalizadas, assistência virtual durante o jogo.
Os dados coletados dos aplicativos podem ser usados ??pelos organizadores do evento para melhorar os serviços e a experiência dos fãs.
 

Engajamento dos fãs

Por meio das plataformas de mídia social e das plataformas de “fantasia” (as fantasy platform, muito mais usual no mercado americano), novas e disruptivas estratégias estão sendo implementadas por empresas de todo o setor para aumentar o envolvimento com os fãs. A idéia está por trás de fazer com que o torcedor se sinta valioso para a organização.
Esse engajamento evoluiu para uma mercadoria, uma estratégia de crescimento por atacado usada por organizações de eventos esportivos, patrocinadores e emissoras para maximizar o lucro. Os números nunca mentem:
– Cinqüenta e seis milhões de americanos jogam Fantasy League todos os anos.
– Os americanos gastam 26 bilhões de dólares em Fantasy Sports, em média por ano.
– Os americanos gastam quatrocentos e sessenta e cinco dólares por jogador por ano em Fantasy Sports.
Como as organizações esportivas estão se envolvendo com seus fãs?
– A maioria das equipes usa o twitter para criar enquetes ao vivo ou discussões no jogo com os fãs;
– Distribuição de notícias e informações sobre jogos, jogadores ou programação;
– Alguns usam histórias do Snapchat ou Instagram para revelar atividades nos bastidores das equipes e jogadores;
– Implementação de hashtags dinâmicas a serem seguidas dentro do jogo;
– Brindes para os fãs mais empolgantes.
 

Patrocínio

 
O mercado de publicidade na indústria do esporte tem avançado além dos formatos tradicionais, criando estratégias dinâmicas, usando análises avançadas e novas plataformas digitais para formar conexões mais diretas e direcionadas com seus públicos.
Há algumas semanas, postamos uma notícia super interessante sobre essa transformação no mercado, que pode criar qualquer atleta em uma uma celebridade. As marcas estão buscando ativações baseadas em eventos que oferecem vários pontos de contatos digitais e um impacto duradouro nas mídias sociais. Por outro lado, os profissionais de marketing exigem um retorno mensurável do investimento para justificar seus gastos e orientar suas campanhas futuras.
Quais são os ativos de patrocínio hoje?
– A grande quantidade de “seguidores” que algumas pessoas possuem nas redes sociais, bem como, algumas organizações esportivas;
– Discussões, opiniões, pesquisas e interações em tempo real entre marcas e clientes;
– Os dados que permitem à empresa entender o consumidor e redirecioná-lo de forma mais eficiente.
 

e-Sports

É inegável que o setor de e-Sports está crescendo exponencialmente no momento, devido a uma aceleração da sua adoção, um efeito colateral da crise social que vivemos. Muitos novos indivíduos e organizações estão ingressando no mercado de e-Sports. 
O e-sports criou novas oportunidades comerciais para jogadores, empresas e profissionais de marketing, para alcançarem públicos novos e mais jovens em todo o mundo.
O crescimento e o desenvolvimento dos e-Sports ainda são fracos. No entanto, já é visível que o crescimento em regiões específicas pode ser mais robusto do que em outros setores. Por exemplo, a China está muito à frente dos EUA em adoção e desenvolvimento de e-Sport.
Qual é o futuro do e-Sports?
– Criação de mais ligas, equipes e torneios ao vivo;
– Aumento de desenvolvedores de jogos e produtores de vídeos;
– Adoção de diferentes modelos de negócios;
– Uma complexa rede de patrocínios e endossos entre os concorrentes mais significativos.
 

A Era BeTheNext

O networking, em tempos de incertezas no esporte, nunca foi tão valorizado. A Startup Curitibana BeTheNext propõe revolucionar o mercado de intermediação esportiva e está desenvolvendo aquela que será, em breve, a maior rede social do mundo dedicada ao esporte e geradora de negócios para as entidades esportivas.
A transição da categoria de base para a “possível” profissional é marcada por um turbilhão de dúvidas, julgamentos, cobranças familiares e muitas mudanças… às vezes dói, mas… é parte inevitável do processo de crescimento no esporte. Pesquisas recentes indicam que o índice de promissores atletas com idade entre 10 e 20 anos que desistem do sonho de se tornar um profissional, pode chegar até 96%.
Mas esse processo dificultoso de transição, não vale apenas para atletas. Ele também vale para clubes e outras entidades esportivas que estão constantemente buscando novos talentos para permanecerem competitivos e, sobretudo, vivos num mercado esportivo cada vez mais acirrado. A própria BeTheNext vive uma fase de transição e mudanças, nesse turbulento período da pandemia. E é exatamente nesse “furacão” da economia chamado coronavírus, que a plataforma se consolida como obrigatória para atletas, clubes, academias de lutas, universidades, profissionais do esporte, patrocinadores e demais agentes que precisam acompanhar as novas tendências “corporativas” do mundo dos esportes.
“A nossa missão inicial de ser apenas uma vitrine de atletas está definitivamente para trás. Não somos uma empresa que está apenas em busca dos próximos talentos. Nossa missão é conectar atletas à entidades, garantindo mais oportunidades, para que se tornem esportistas mais perseverantes e competitivos”, afirma Felipe Bueno, fundador da Startup.
“Ter um perfil na plataforma torna-se nos dias de hoje inevitável a qualquer atleta de qualquer categoria, gênero, modalidade e status social, mas também para clubes e demais entidades que precisam acompanhar esse movimento tecnológico no mercado”, reforça Felipe em nome de todo o Time BeTheNext, uma tecnologia que está mudando as regras do jogo no mercado empresarial esportivo e que, certamente, faz parte dessa revolução tecnológica e disruptiva.
Quer saber mais sobre a BeTheNext? Acesse http://bethenext.co

 

 

Principais aprendizados:

– A tecnologia ajuda times e grandes corporações esportivas à vencer, dando-lhes vantagens competitivas;
– De apostas à desempenho e marketing, os dados estão em toda parte na indústria do esporte;
– Os estádios serão inteligentes, antes de ficarem cheios novamente;
– Melhorias tecnológicas tornam a tecnologia mais barata;
– Os fãs, cada vez mais, exigem mais experiência e segurança;
– Entidades esportivas devem se preocupar em manter seu fã feliz, para que sempre “volte”;
– O e-sports está criando novas oportunidades comerciais para todos os envolvidos no mercado, de forma exponencial;
– A crise social e econômica do COVID-19 acelerou muitas tendências na indústria do esporte;
– As novas disrupções tecnológicas na indústria do esporte chegaram e vão ficar;
– A metodologia como clubes e demais entidades esportivas faziam para a detectar talentos, bem como, a maneira de realizar processos de recrutamento, seleção e contratação de atletas, também está se transformando e de maneira muito rápida.
___
Via: Assessoria de Imprensa BeTheNext
Créditos Imagens: Sportstechbiz Website / Google
Tradução: Assessoria de Imprensa BeTheNext / Google